sexta-feira, 19 de outubro de 2012

Projeto Aula de Reforço Tema: Eu ensino e aprendo matemática




Projeto Aula de  Reforço
Tema: Eu ensino e aprendo matemática
Professora Responsável: Lucimeires Cabral Dias

Problemática
Partindo da observação realizada nos 6º ano do ensino fundamental na escola Rosália Correia, percebeu-se a dificuldade de um percentual considerável de discentes com dificuldades de compreender as quatro operações, os quais são  requisitos fundamentais  exigidos  de um aluno que se encontra nessa série.
Faz-se necessário rever a proposta pedagógica a esse público alvo e buscar estratégias para recuperarmos ainda em tempo esses que se encontra em defasagem  nesta área de conhecimento.  Nesse aspecto, a Matemática pode dar sua contribuição à formação do cidadão ao desenvolver metodologias que enfatizem a construção de estratégias, a comprovação e justificativa de resultados, a criatividade, a iniciativa pessoal, o trabalho coletivo e a autonomia advinda da confiança na própria capacidade para enfrentar desafios.


Período de Duração
      II semestre de 2012

Objetivo Geral

                  Diagnosticar o conhecimento prévio dos alunos que se encontram com dificuldades de assimilar as quatro operações  criando possibilidades  para a compreensão das diferentes estratégias  ligadas à resolução de situações problemas, buscando sanar essas dificuldades.

Objetivos Específicos:
*    Realizar aulas de reforço para os alunos que apresentaram durante o 1º  semestre dificuldades  nas quatro operações fundamentais;
*     Incorporar soluções alternativas, reestruturar e ampliar a compreensão acerca dos conceitos envolvidos nas quatro operações;
*     Discutir as dúvidas, supor que as soluções dos outros podem fazer sentido e persistir na tentativa de construir suas próprias ideias;
*     Reconhecer os significados dos números naturais em diferentes contextos e estabelecimento de relações entre números naturais, tais como  ser múltiplo de., .ser divisor de..
*     Desenvolvimento da capacidade de investigação e da perseverança na busca de resultados, valorizando o uso de estratégias de verificação e controle de resultados,
*     Predisposição para alterar a estratégia prevista para resolver uma situação-problema quando o resultado não for satisfatório,
*     Reconhecimento que pode haver diversas formas de resolução para uma mesma situação- problema e conhecê-las,
*     Valorização e uso da linguagem matemática para expressar-se com clareza, precisão e concisão,
*     Estimular o trabalho coletivo, colaborando na interpretação de situações-problema, na elaboração de estratégias de resolução e na sua validação.
*     Promover alunos-monitores;
*     Aplicar avaliações paralelas para verificação da aprendizagem dos alunos tanto dos alunos-monitores quanto dos alunos das aulas de reforço.
*     Incentivar o trabalho em grupo, enfatizando a importância da ajuda mútua, para a realização das atividades.

Justificativa

O projeto partiu da analise realizada na escola Rosália Correia com alunos do 6º ano do ensino fundamental com a intenção de estimular o prazer em aprender as quatro operações de maneira lúdica. Formando assim, alunos capazes de resolver situações- problema, relacionada com o cotidiano.
Após a pesquisa na referida escola,  percebemos as dificuldades dos alunos, em relação as quatro operações está relacionada também as dificuldade de interpretar até mesmo um pequeno texto, ocasionando dificuldade de assimilação e compreensão em todas as disciplinas no qual incluem as operações matemáticas.
A matemática é uma linguagem expressa através de símbolos. Assim sendo, pretende-se abordar as dificuldades dos alunos que não conseguem compreender instruções e enunciados matemáticos, bem como as operações aritméticas, pois é necessário que eles superem as dificuldades de leitura e escrita para  poderem resolver as questões que lhes são propostas. ''É importante destacar que a Matemática deverá ser vista pelo aluno como um conhecimento que pode favorecer o desenvolvimento do seu raciocínio, de sua sensibilidade expressiva, de sua sensibilidade estética e de sua imaginação'' (PCN's,1997).
O fato é que a maioria dos alunos manifesta dificuldades em aritmética e outras áreas da matemática na escola como: interpretação de problemas, sinais das operações fundamentais e na tabuada, mas eles poderão ter, mesmo assim, boa habilidade em matemática.
Mas para alguns alunos o ensino da matemática se torna difícil porque o que está sendo ensinado não é significativo para sua vida fora da escola. Por exemplo, um problema não perde o significado porque usa uva ao invés de pitanga ou pitanga ao invés de uva como fruta, o problema perde o significado porque a resolução de problemas na escola tem objetivos que diferem daqueles que nos movem para resolver problemas de matemática fora da sala de aula. Perde o significado também porque na sala de aula só estamos preocupados com as regras gerais. Perde o significado também porque o professor não se preocupa com o esforço na resolução do problema, mas a aplicação da fórmula correta. Conforme descrito nos PCNs:
É importante destacar que as situações de aprendizagem precisam estar centradas na construção de significados, na elaboração de estratégias e na resolução de problemas, em que o aluno desenvolve processos importantes como intuição, analogia, indução e dedução, e não atividades voltadas para a memorização, desprovidas de compreensão ou de um trabalho que privilegie uma formalização precoce dos conceitos. ( PCNs, 1996,p.63)
Cabe ao educador buscar maneiras de usar em sala de aula o conhecimento matemático cotidiano de seus alunos; esse desafio, se aceito de fato, tornar muito mais fascinante a aprendizagem da matemática.
Considerar as estratégias espontâneas dos alunos é valorizar e estimular a própria capacidade de construir o conhecimento são objetivos  que propõe os PCNS para os discentes que cursam esta modalidade de ensino:

Nesta série, o ensino de Matemática deve visar o desenvolvimento:

#Do pensamento numérico, por meio da exploração de situações de aprendizagem que levem o aluno a:
*   Ampliar e construir novos significados para os números naturais, inteiros e racionais,a partir de sua utilização no contexto social e da análise de alguns problemas históricos que motivaram sua construção;
*   Resolver situações-problema envolvendo números naturais, inteiros, racionais e a partir delas ampliar e construir novos significados da adição, subtração, multiplicação, divisão, potenciação e radiciação;
Assim, torna se evidente que a  educação matemática deve estar voltada para a necessidade que o aluno tem de construir sua lógica construtiva, e, consequentemente as estruturas mentais dos números e das operações elementares. É preciso envolver o aluno para que se sinta encorajado a refletir sobre suas ações e sem medo de aprender a pensar, explorar e descobrir.
Cada aluno tem seu jeito e tempo para aprender, hoje temos estudos e a compreensão da Psicopedagogia que nos mostra a necessidade de se observar a maneira peculiar e singular com que cada sujeito aprende.
           

Fundamentação Teórica

A matemática é a ciência dos números e dos cálculos. Desde a antiguidade, o homem utiliza a matemática para facilitar a vida e organizar a sociedade. A matemática foi usada pelos egípcios nas construções de pirâmides, diques, canais de irrigação e estudos de astronomia. Os gregos antigos também desenvolveram vários conceitos matemáticos.   Atualmente, esta ciência está presente em várias áreas da sociedade como, por exemplo, arquitetura, informática, medicina, física, química etc. Podemos dizer que em tudo que olhamos existe a matemática, portanto se faz necessário teorizarmos com o cotidiano do aluno, pois de acordo com os PCNs:  Nesta fase, os alunos devem ser estimulados a aperfeiçoar seus procedimentos de cálculo aritmético, seja ele exato ou aproximado, mental ou escrito, desenvolvido a partir de procedimentos não convencionais ou convencionais, com ou sem uso de calculadoras.
Certamente, eles ainda não têm domínio total de algumas técnicas operatórias, como da multiplicação e da divisão envolvendo números naturais, compostos de várias ordens, ou aquelas com números decimais, e isso precisa ser trabalhado sistematicamente. O importante é superar a mera memorização de regras e de algoritmos (.divide pelo de baixo e multiplica pelo de cima., .inverte a segunda e multiplica.) e os procedimentos mecânicos que limitam, de forma desastrosa, o ensino tradicional do cálculo( 1996,p. 68).
Na série deste estudo é muito importante a ênfase nas quatro operações matemáticas. É a partir desta familiaridade, tão essencial, que o aluno terá condições para seguir adiante com os novos assuntos que aprenderá nos decorrer dos anos. O uso da expressão numérica somente somará facilidade de entendimento e em consequência a melhor compreensão dos novos assuntos.

Metodologia

*  Apresentar o projeto e  sensibilizar os alunos quanto a importâncias das aulas de reforço;
*  Aplicar um teste envolvendo as quatro operações e selecionar os alunos que se encontram mais desenvolvidos para serem os monitores do reforço;
*  Propor atividades em que os alunos compartilhem leitura de situações problemas com colegas de classe;
*  Elaborar atividades em grupos para que sejam acionadas estratégias de compreensão e interpretação de textos com situações problemas,
*  Criar oficinas com jogos que proporcione o desenvolvimento do raciocínio lógico matemático;
*  Desenvolver  situações problemas voltada para a realidade dos discentes;
*  Estimular o desenvolvimento do raciocínio lógico  através de atividades “para casa” que envolva as quatro operações;
*  Incentivar o estudo da tabuada;
*  Utilização do laboratório do Proinfo;
*  Trabalhar exemplos práticos e problemas para desenvolver o raciocínio lógico-matemático.
*  Formar grupos  com três  integrantes (um monitor  por grupo).
*  Atendê-los de forma mais especifica nas suas dificuldades sentando com cada grupo.


Cronograma:

Mês
Atividades a serem desenvolvidas
Agosto
*Apresentar a proposta de intervenção para a coordenadora e alunos.
*Fazer parceria com a escola;
*Identificar os alunos que apresentam dificuldades com o raciocínio lógico;
*Mobilizar os alunos e estabelecer a função dos monitores.
*Início  das aulas de reforço;
Setembro
*Continuação das aulas;
*Outubro
*Continuação das aulas;                                                                                                        *Aplicação de um teste para verificar se houve avanços;
Novembro

***COMPETIÇÃO dE TABUADA COM SENTENÇAS MATEMÁTICAS;
Dezembro
*Premiação;

OBSEVAÇÃO: as AULAS DE REFORÇO SERÃO MINISTRADAS NOS HORÁRIOS VAGOS DOS ALUNOS AS SEGUNDAS – FEIRAS NO 5º E 6º HORÁRIOS.

REFERÊNCIAS:
Parâmetros curriculares nacionais/Ministério da Educação,Secretaria da Educação Fundamental .-3.ed.-Brasilia:A Secretaria,2001.

3 comentários:

  1. Gostei muito deste Blog, foi muito útil a mim, gostaria da parabenizá-lo .

    ResponderExcluir
  2. Gostei muito deste Blog, foi muito útil a mim, gostaria da parabenizá-lo .

    ResponderExcluir

Obrigada por sua contribuição!!!!! Volte Sempre!